segunda-feira, 19 de abril de 2010

Hong Kong – parte I

Chegamos em HK no sábado na hora do almoço. Pegamos um táxi para o hotel, mas a comunicação foi difícil porque o motorista também não falava muito inglês. Acabamos no hotel errado, porque a rede que escolhemos tem mais de uma unidade e nós não imprimimos a confirmação da reserva. Quando finalmente chegamos no hotel certo, chovia. Muita neblina e um friozinho nos acompanhou a viagem toda, o que acabou sendo um mega inconveniente porque várias coisas em Hong Kong são nas alturas e ao ar livre, e de nada adianta pegar o teleférico para subir o morro só pra ver nuvem de perto.

O hotel era o máximo, super recomendo. O quarto era tão confortável (e com um tal de magic glass no banheiro que nunca vi igual) que quando voltei pra casa achando minha própria cama um tédio. A localização era boa e, apesar de não ser no centro ainda é considerado região central – e era do lado do metrô (em HK se vai a todo canto de metrô).

Fomos direto a Mongkok, o bairro onde os locais vão para fazer compras. Sábado à tarde, as ruas abarrotadas e várias figuras interessantes de HK estavam ali. Fomos no famoso Ladies Market, onde dizem que são vendidos os melhores fake da região – coisa que não me atrai tanto, mas esse é um blog informativo então me sinto no dever de informar.

Andamos muito por Mongkok, fiz várias fotos (que vocês podem ver no link do Picasa) e quando começou a escurecer e meus pés já pediam arrego dentro do meu All Star (que não foi feito para longas caminhadas) decidimos voltar para o hotel.

À noite o plano era explorar Lan Kwai Fon e Soho, a região boêmia, onde a vida noturna é mais animada. E que animação!! Bares, restaurantes e baladas lado a lado, muita gente na rua. Me fez lembrar do Bairro Alto, em Lisboa. Também com um quê de Espanha, pelo estilo do programa – andar pelas ladeiras e ruelas explorando os lugares e vendo todas as pessoas socializando na rua. Para as baladas, não precisa pagar para entrar. É o paraíso do “pub hopping”, já que é tudo muito perto. Tanta opção que foi difícil escolher...

Mas acabamos jantando no Coast, restaurante de uns amigos de Singapura – um australiano com comida boa e muita gente bonita. De lá saímos andando e parando em lugares diferentes, como um bom boêmio faria.

No domingo decidimos incorporar de vez o papel de turistas: subimos ao The Peak e pegamos um daqueles ônibus turísticos para ter uma visão geral da cidade. O Peak valeu só pra dizer que fomos, porque a névoa era tanta que mal conseguíamos ver a silhueta dos prédios mais próximos. Coloquei essa foto na seleção para ilustrar esse parágrafo. Uma pena.

Já o passeio de busão foi legal. Só assim aprendo a me localizar com rapidez numa cidade nova, aprendo coisas que não estão escritas no meu guia, e vejo coisas que eu não veria a pé. Sem preconceito, pessoal, ônibus turistão pode ser legal.

Do topo do ônibus vimos todos os bairros centrais, vimos como os imigrantes filipinos e indianos se divertem no seu dia de folga (fazendo a maior farofa perto dos prédios mais luxuosos do distrito financeiro – impressionante de ver aquele mundaréu de gente sentado no chão em cima de jornal comendo arroz com a mão ou bebendo cerveja).

Depois do passeio de ônibus fomos para Kowloon, do lado de lá do mar. Andamos pelas ruas, apreciando uma fauna e flora completamente diferente de Mongkok – e fomos parar no Tsim Sha Tsui East Promenade, que oferece a melhor vista do skyline de Hong Kong (difícil selecionar quais fotos queria mostrar, porque tirei mais de 60). Nesse lugar também está a calçada da fama de HK, mas só reconheci dois ou três nomes, e diariamente às 20h acontece o Symphony of the Stars, um show de música e luz dos prédios do skyline da cidade bonito de ver (e talvez mais impressionante quando não há nuvens pesadas cobrindo parte da vista).

Depois do show, o melhor jeito de voltar para o centro é com a Star Ferry, passeio obrigatório (e baratinho) para quem vai a HK.

No nosso último dia em HK o plano era ir para a parte sul da ilha, Repulse Bay (praia) ou para a ilha de Lantau (no alto de uma montanha) – mas o clima estava tão ruim que acabamos desistindo. Para aproveitar esse último dia, dei ao Steven duas opções: compras ou Disneyland.

E quem já viu as fotos sabe onde fomos parar!!!

3 comentários:

  1. Adorando suas andanças pela Ásia!!

    ResponderExcluir
  2. Ai que vontade de ir "praí"...
    Ah, e o onibus de turistao rules!!!beijo
    ni

    ResponderExcluir
  3. CARA ESTIVE AI AGORA NO FIM DE OUTUBRO , FOI MASSA .

    ResponderExcluir