quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Guia de multas

Como eles dizem por aqui, Singapore is a fine* country!

Antes de eu chegar já tinha ouvido falar tanta coisa sobre a rigidez das leis e as punições, que não sabia dizer o que é verdade e o que não é. Então, fiz uma pesquisa do que é proibido fazer em Singapura e quais as consequências para o infrator. Aqui está o top 10:

1) Excesso de velocidade = até $130-180
2) Atravessar a rua fora da faixa de pedestres = até $500
3) Comer e/ou beber em ônibus ou metrô = até $500
4) Cuspir ou jogar lixo na rua = até $1.000
5) Fumar em local proibido = até $1.000 (na rua, é proibido fumar a menos de 5m de alguma porta de entrada ou saída onde é proibido fumar)
6) Arrancar flores de lugares públicos = até $2.000
7) Fazer sexo em lugares públicos = até $20.000
8) Andar por aí sem roupa = até $20.000
9) Porte e/ou tráfico de drogas = prisão e, para tráfico, pena de morte
10) Vandalismo = prisão e 3 a 6 chibatadas

É claro que isso não quer dizer que todo mundo que ultrapassa os limites de velocidade, fuma na rua ou cospe tem que pagar a multa. Mas é um risco que se corre...

Sobre chicletes, ainda não tenho 100% de certeza sobre o valor da multa, porque em cada lugar que procuro a informação é diferente (e, convenhamos, o governo não teve a iniciativa de fazer “Guia de Multas” como o meu). O fato é que não são vendidos em lojas e supermercados, somente em farmácias e consultórios médicos ou odontológicos – e você precisa fornecer nome e identidade. Caso o farmacêutico não anote seus dados, ele é que pode levar multa ou até ser preso. Não é permitido importar chicletes (se você conseguir trazer na mala e não ser pego, sorte sua), e é proibido jogar na rua, grudar em bancos, cadeiras, paredes, etc.

Como em todos os lugares, pirataria também é ilegal. Mas aqui talvez seja mais controlado que outros países, porque até sites de download de filmes e séries são bloqueados. Pornografia, então, nem se fala. E mesmo com todas essas proibições já ouvi gente falando que compra DVDs piratas de ambulantes na rua. Eu nunca vi.

É proibido trazer cigarro de fora (e se comprar no free shop, tem que pagar todos os impostos), há um limite para bebidas alcoólicas compradas no free shop sem impostos (1L de vinho, 1L de destilado e 1L de cerveja) e armas de nenhum tipo são permitidas (nem as estrelinhas ninja vendidas em camelôs da Tailândia). Não vou nem mencionar drogas. As leis da alfândega são rígidas e claras. Não adianta chorar se for pego com algo errado.

De todas as proibições que vi até agora, as mais engraçadas são: não dar descarga após usar o toalete (talvez por isso a maioria dos banheiros tenha sensor infravermelho e a descarga é automática), e fazer xixi no elevador. Ou essas leis existem porque alguém já cometeu o crime, ou para amenizar o impacto e descontrair o cidadão que lê a lista de proibições e multas.

E preciso dizer que o fato das leis serem rígidas não significa que ninguém faz nada de errado. Impossível controlar todo mundo o tempo todo, então é claro que tem gente que cospe na rua, atravessa fora da faixa e ultrapassa os limites de velocidade. Sem falar do povo que atravessa a fronteira da Malásia, vai até Johor Bahru (JB, para os íntimos), compra tudo que é ilegal e falsificado e traz escondido para Singapura.

Fui pesquisar sobre as tais chibatadas, assunto tão polêmico, e me parece que fazem parte da pena a ser cumprida (você vai pra cadeia e ainda leva umas chibatadas – e o número será definido de de acordo com o crime cometido e não são dadas como única forma de punição. Estrangeiros não escapam do que alguns afirmam ser agressão aos Direitos Humanos, como foi o caso do adolescente americano que foi acusado de roubo e vandalismo em 1994 e condenado a prisão e 6 chibatadas. Mas o Clinton, então presidente, interferiu e ele acabou levando “só” 4.

Só posso dizer que, como sei que aqui as coisas são bem diferentes do Brasil e o “jeitinho” não funciona, melhor dançar conforme a música. Se isso quer dizer que não posso mais tomar Coca Zero no metrô e nem grudar chicletes embaixo do banco, so be it.


PS- o metrô de SP deveria seguir o modelo! Lembro de como era insuportável o cheiro de milho verde com manteiga que as pessoas comiam da marmita de isopor com garfo plástico.


*trocadilho que diz que Singapura é uma cidade bacana, mas também a cidade das multas.

Fonte: Wander guide (publicação Juice Media), Uniquely Singapore, The Straits Times

8 comentários:

  1. Maria Cláudia, adoro seu blog - toda vez que vc posta alguma coisa no twitter corro pra cá pra ver o que vc anda passando de aventura por aí.
    Espero que tudo esteja valendo a pena!
    beijos Rachel Polito

    ResponderExcluir
  2. Redescobri o seu blog e adorei o post! Muito bom ficar sabendo dessas diferenças na vida em outros países. Já vi que a adaptacao vai bem, por aí!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que surreal... Mas se não me engano na Disney também não vende chiclete, e no navio não vendia. Se trouxessem de fora, paciência, mas lá dentro não vendia mesmo. Porque o povo é porco e descolar chicletes de pisos, mesas e carpetes é um castigo!

    Preciso ler direitinho a lista do que é proibido antes de fazer minha mala!!

    ResponderExcluir
  4. que interessante... adoro estas diferenças culturais....
    beijos
    re

    ResponderExcluir
  5. Favor não infringir nenhuma lei nem tomar nenhuma chibatada!!
    bjs
    mom

    ResponderExcluir
  6. Adorei as chibatadas para vandalismo, que é uma coisa que eu odeio com todas as forças do meu ser e me revolta demais.

    Aqui no Brasil, numa escola publica, os professores e alunos passaram seis meses juntando dinheiro para comprar material e pintar a escola. Quando conseguiram, fizeram um mutirão e passaram um fim de semana inteiro pintando e deixando tudo lindo.
    No primeiro dia, um moleque, aluno do colégio, pichou as paredes. A professora, como punição, mandou o aluno pintar todas as paredes pichadas.
    E aí a mãe fez queixa na secretaria de Educação dizendo que o filho tinha sido humilhado na frente dos colegas - sim, a professora o chamou de bobo da corte durante o ocorrido, mas na boa, foi até pouco, o moleque merecia umas chibatadas, isso sim, uma de cada pessoa que passou o fim de semana inteiro ralando pra deixar a escola pintada.

    Veja o conselho da sua mãe, acima, que a gente morre de vergonha de passar carão pelos filhos, viu?

    bj

    ResponderExcluir
  7. Rachel,
    que bom!! fico feliz que vc está acompanhando o blog! Está valendo super a pena, estou adorando a experiência e a nova vida.

    Bailandesa,
    a adaptação vai muito bem! O choque cultural já passou e agora é hora de enxergar as coisas como elas são, sem olhar de turista. Muito interessante!

    MH,
    Jura que na Disney não pode? Não lembrava disso... Bom, melhor vc não trazer nada ilegal pq não quero ter que tirar parente da prisão! :)

    Re,
    to adorando suas diferenças culturais tbm! É o mesmo país, mas parece outro mundo...

    mom,
    Passei 28 anos sem infrigir nenhuma lei, acho que consigo manter o mesmo estilo!

    Clau,
    esse assunto é bem polêmico, talvez o fato da lei existir iniba alguns delinquentes, mas não sei se resolve o caso. Esse americano que comentei voltou a aprontar nos EUA alguns anos depois, o que quer dizer que as chibatadas não valeram em nada...

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Maria Claudia, tudo bom? acompanho o seu blog e acho muito legal. Estou indo com minha esposa para o sudeste asiatico e te enviei um e-mail para o endereco acima mas nao sei se vc recebeu. Vou enviar novamente. Gostaria de umas dicas suas. obg Douglas

    ResponderExcluir