quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Em guerra - parte II

Depois de quase uma semana dormindo no sofá, resolvi que era hora de voltar para o quarto. Arrumei a cama, preparei tudo para o meu retorno mas quando bati o olho na cortina vi mais bedbugs. Os desgraçados estavam se escondendo no drapeado!!!

Enquanto surtava, peguei luvas plásticas, Off (o único veneno que eu tinha em casa) e fui caçando e matando um a um (e jogando na privada), xingando os bichos e a empresa de detetização que não me aconselhou a remover a cortina para diminuir a possiblidade dos sobreviventes se esconderem.

Depois, arranquei a cortina, taquei numa sacola e levei na lavanderia. Eu parecia uma louca andando na rua descabelada, vermelha, suada, pisando duro com aquele sacolão nos braços.

Voltei pra casa, tirei todas as roupas das gavetas da cama (que o DD-drim tinha falado que não precisava) e lavei tudo a 60ºC. Depois, uma rodada na secadora, por 2 horas. Ao final da epopéia tinha tanta roupa para dobrar e eu estava tão cansada que poderia ter dormido até em pé.

No dia seguinte liguei na empresa de detetização para brigar, mas não me deram muita atenção. Bastou o Steven chegar à tarde e fazer uma única ligação que em 15 minutos os carinhas estavam em casa. Encontramos mais bedbugs, eles refizeram todo o procedimento (dessa vez tiramos tudo do quarto, sapatos, livros, etc), talvez um pouco mais detalhado que da outra vez sob os olhos do “patrão”, e nós fomos para um hotel para fugir do cheiro de veneno e do sofá pequeno demais para duas pessoas com mais de 1,80m.

Que ironia, depois de tanto xingar aquele hotel onde moramos quando chegamos, ao primeiro sinal de problema é para lá que voltamos correndo. Não antes sem levar o edredon para a lavanderia e jogar os travesseiros fora.

Depois de dois dias no hotel, voltamos para casa. Precisávamos dormir pelo menos uma noite no quarto para ver se eles aparecem. Eu fui ressabiada, fiquei de olho em todas as dobrinhas do lençol até finalmente cair no sono.

Já se passaram três noites e até agora nada. Estou feliz, mas ainda não completamente despreocupada. A tropa, quer dizer, família do Steven chega domingo e eu estou morrendo de medo do problema reaparecer enquanto eles estiverem aqui.

Caso apareçam, vamos jogar todos os móveis e colchão fora. Caso contrário, vamos deixar as coisas do jeito que estão e torcer para que o pesadelo tenha realmente terminado.

5 comentários:

  1. chorando de rir da sua guerra!
    O que importa é: vc venceu (quase) sozinha...
    beijos Re

    ResponderExcluir
  2. Nightmare!!!!

    Espero que tenham sumido de vez...
    Visita em massa no fim de semana? Vai ser divertido!!
    beijo

    ResponderExcluir
  3. Afe! DD drim made in China...kkkk...
    Agora, como um homem na vida de uma mulher é tudo, né?! Só eles pra falarem grosso com essa turma pra resolverem as coisas.
    Boa sorte com as visitas.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Veja bem, deixe esta dúvida no ar. Qdo receber uma proposta de visitas, se não estiver a fim, ponha culpa nos percevejos, se estiver diga que eles podem voltar a qualquer momento, assim tem um álibe caso a visita queira estender sua estadia! Nada é tão ruim assim, vai? Dps que achei um morcego no Marriot, eu mato qualquer bicho, com ou sem asas!
    Bj
    Lilian - batgirl

    ResponderExcluir
  5. Sorry, digo álibi e não com e no final!
    Lilian - Wickpédia girl

    ResponderExcluir