segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Da cor do pecado

Mesmo em dias de sol é normal ver a rua toda colorida com guarda-chuvas. No começo achava que era para amenizar o calor, até que alguém me explicou que as mulheres asiáticas não querem se bronzear.

E então notei que algumas mulheres orientais do meu prédio vão para a piscina de roupa. Tem uma que nada de blusa de manga comprida e bermuda, e também encapota os filhos para que eles não corram o risco de se bronzear. Biquínis não são muito populares aqui, elas podem até usar 2 peças mas a de cima será tipo uma regata, ou seja quase um maiô. Isso me fez pensar nos padrões diferentes de beleza, e fui pesquisar mais sobre o assunto.

Descobri que aqui há um culto à brancura da pele. Quanto mais clara a pele, mais bonita a mulher – o que, na minha opinião, tem um fundinho de racismo. O conceito de beleza na Ásia é completamente diferente do ocidente. Aqui as mulheres mais apreciadas são magérrimas (ok, isso é igual na maioria dos países), baixas, mignon e bem branquinhas. O oposto das curvas e corpos bronzeados tão apreciados no Brasil.

A indústria cosmética tem um nicho especial na Ásia. Fui pesquisar as maiores marcas de cosméticos e descobri que a Nivea, Dove e L’Oreal têm uma linha de cremes branqueadores.

O branqueamento da pele é um tema polêmico e envolve assuntos como saúde, identidade, mentalidade colonial (as pessoas de raças mistas com pele mais branca tinham situações privilegiadas em relação às mais escuras, por ter trabalhos protegidos dos raios de sol) e racismo. E além do padrão de beleza, é como se as pessoas mais morenas fossem inferiores às brancas, e por isso fazem tudo para evitar o risco de discriminação.

E enquanto nesse lado do mundo as mulheres gastam tubos de dinheiro em produtos que prometem branquear a pele de 1 a 3 tons, imagino o que elas diriam ao saber que no Brasil o que vende mesmo é auto-bronzeador, e que para nós, quanto mais bronzeada, mais saudável e bonita é a pessoa.

É, acho que gosto não se discute mesmo.

8 comentários:

  1. Acho isso tão surreal... se proteger do sol até faz sentido, mas não se o motivo é esse! Bizarro... agora, creme branqueador é de matar! Será que não faz mal, não?

    ResponderExcluir
  2. Ai ai ai... Certamente eu correria sérios riscos de discriminação, considerando que até com uma lanterna eu fico morena! Imagina com o calor ai!!
    Que maluquice! Certamente tem gosto pra tudo...

    ResponderExcluir
  3. Tenho uma amiga japonesa que me explicou isso. Quando elas tomam sol, a pele delas não fica bronzeada como a nossa, fica amarelada com tons cobre. Além, é claro, do fator cultural de que quanto mais branca, mais bonita.
    marialice

    ResponderExcluir
  4. MH,
    estão descobrindo agora que faz mal... mas até aí, não acho que auto bronzeador é muito diferente!

    Ana Rita,
    eu tbm pego cor fácil, mas pra mim é calor demais pra deitar no sol. Minha cor agora foi conquistada na sombra!

    Ró,
    me too!

    Mom,
    isso eu não sabia! Interesting... vou me informar!

    bjs

    ResponderExcluir
  5. jamais poderia morar aí, iam achar que sou uma mendiga provavelmente
    e iam olhar torto para minha prefencia em torrar no sol.
    por isso que todas as asiáticas sao tao branquinhas... achei que se devia ao clima local.
    brijo

    ResponderExcluir
  6. Bom, elas saem ganhando no quesito rugas, né? Já percebeu o quanto é difícil dizer a idade de um oriental? Olha, mesmo morando no nordeste entrei pro clube do autobronzeador... Com o sol daqui ia envelhecer 10 anos em 1. ;)
    Saudades amiga. bjs

    ResponderExcluir
  7. Que bom, se eu mudar para a Ásia um dia posso ser modelo!!!!!!!!!!!!!!
    saudades mari!!
    beijoss Lu

    ResponderExcluir