sexta-feira, 31 de julho de 2009

Singapura: Expatriados

Singapura é um país que incentiva (e muito) a importação de talento estrangeiro, por dois motivos básicos: para ajudar no crescimento econômico do país, e para tentar melhorar o problema populacional (o número de idosos está crescendo, mas a taxa de fertilidade continua baixa). Por isso, o número de expatriados aqui é tão grande – em 2008 eram mais de 1 milhão de não-residentes vivendo em Singapura (esse é o dado mais recente, ainda não se sabe qual foi o impacto da crise).

Pelo segundo ano consecutivo o HSBC realizou uma pesquisa sobre expatriados em todo o mundo, batizada de Expat Explorer. A pesquisa contou com mais de 3.100 entrevistados que descreveram as oportunidades e os desafios que enfrentam vivendo longe de casa. O estudo fornece uma visão abrangente de como a vida de um expatriado difere de país para país.

No ranking de qualidade de vida do HSBC, 26 países foram avaliados. No topo da lista, Rússia, Qatar e Arábia Saudita. Singapura está em sexto lugar.

A pesquisa avaliou que a Ásia é a região que abriga os expatriados mais bem pagos do mundo, e por isso aqui eles têm um padrão de vida elevado. No entanto, o custo de vida para estrangeiros em Singapura é alto. Quarenta por cento dos entrevistados pelo HSBC gastam mais em acomodação do que expatriados em outros países, e até mesmo os gastos com diversão e saúde estão acima da média global.

Outro ponto interessante da pesquisa que só vem comprovar o que todo mundo já suspeitava: a maioria das pessoas que vai trabalhar em outro país aproveita para fazer um pé de meia. Mais de dois terços (68%) dos expatriados relataram que estão economizando e investindo mais desde que saíram de seus países de origem – esse número sobe para 80% quando se tratam de altos cargos executivos.

Bom, chega de estatísticas. Chegou a hora de eu dar minha opinião.

A relação expatriados e locais é delicada. Há quem viva pacificamente e há quem procure encrenca. Um exemplo clássico: de um lado, os locais dizendo que os expats vem para cá para só ganhar dinheiro mas não se esforçam para se integrar e não respeitam a cultura local; do outro, os expatriados reclamando de coisas como falta de educação e dificuldade de comunicação com os locais.

Eu sempre parti do princípio que, se você se predispôs a morar em outro país, tem que fazer o possível para se adaptar. É sua obrigação. Afinal de contas, é a casa deles, a cultura deles, e você é minoria. É mais ou menos como aquele post sobre visitas que eu escrevi.

O ditado “quando em Roma, faça com os romanos” resume perfeitamente o que eu quero dizer. Quer manter seus costumes e hábitos? Ótimo, para isso você tem sua casa. Não imponha sua cultura, não agrida a cultura do seu anfitrião. Não aja como um parasita, que só suga o que tem de bom e não dá nada em troca.

E a melhor coisa que você pode dar em troca (ou devo dizer o mínimo?) é seu respeito e interesse em se adaptar. Não precisa entender todas as diferenças, muito menos incorporá-las. Mas também não precisa andar por aí falando mal do país, ofendendo os locais e o estilo de vida deles.

Não aguenta? Não desce pro play. Ou melhor, faça as malas e volte pra casa.

Prontofalei.




Fontes: Statiscs Singapore e HSBC Expat Explorer survey

4 comentários:

  1. concordo!! Quis morar num lugar diferente? Esteja disposto a aprender e se adaptar. Quem não quer que nada mude, que fique em seu país. Ou até na casa dos pais, pra não ter nem que aprender a lavar roupa... rs

    ps - verbo agir, não aja. verbo haver, não haja. sem querer pegar no pé...
    beijo!

    ResponderExcluir
  2. em singapura??????
    fala sério.... e eu sofrendo por ir até a esquina...rs
    vou te linkar
    beijos

    ResponderExcluir
  3. MH,
    se todo mundo pensasse assim ia ser muito mais fácil! Massss... paciência. Ok, corrigido!

    Re,
    Como diz minha mãe, to de ponta cabeça aqui! Pra onde exatamente vc mudou? Só sei que é praia...
    bjs

    ResponderExcluir
  4. UAU!!
    CONCODO COM TUDO O QUE VC DISSE!!!

    ResponderExcluir