sexta-feira, 8 de maio de 2009

Chinatown

Já passei por uma ou outra Chinatown na vida, mas confesso que sem prestar muita atenção. Talvez por falta de tempo, ou mesmo de interesse.

Mas hoje decidi que era hora de explorar de verdade a cidade, ao invés de ficar me esquivando pelas sombras e shoppings em busca de ar condicionado. E lá fui eu para Chinatown em Singa!

Como imagino que todas as Chinatowns do mundo sejam, tem uma área bem turistona, cheia de lojinhas vendendo leques, tralhas e eletrônicos. Aqui a mais popular é a Pagoda street, onde é difícil andar na rua sem um lojista tentar te oferecer algo. Paralela à Pagoda está a Smith street, cheia de restaurantes e barraquinhas de comidas típicas da região.

O mais interessante de Chinatown é o fato de você encontrar um templo budista, uma mesquita e um templo indiano em uma única rua, a poucos metros de distância um do outro.

O único deles em que eu não entrei foi na mesquita – por ignorância e por medo, mas realmente não sei se eu seria bem vinda ali. No templo indiano (Sri Mariamman – deusa hindu), não só entrei como assisti ao culto. Me senti uma intrusa, mesmo sendo permitida a entrada de turistas (fotos e filmagem só podem ser feitas se você pagar a taxa de $3 ou $6, respectivamente). No começo estava muito tímida e não queria tirar fotos para não incomodar as pessoas, mas com o tempo fui me soltando.

Achei muito interessante! Pelo que entendi esse é um ritual diário na vida dos hindus. Os priests (como seria em português?) fazem às oferendas aos deuses entoando um mantra, enquanto os fiéis assistem e rezam. Ninguém faz sermão, manda apertar a mão do vizinho ou coisa do tipo. Me pareceu um ritual bem individualista, onde as pessoas vão sozinhas oferecer incensos, flores e frutas para os desus, e rezam em silêncio. Ao invés de ficar aqui tentando explicar o que eu vi, achei a descrição perfeita na num site:

“Nos templos hindus não impera o sentimento de excessivo respeito, próprio do budismo, nem a excessiva sobriedade da mesquita, nem o recolhimento da igreja cristã, onde o ruído é considerado um elemento perturbador. No templo hindu tudo são luzes, cores, música, ruídos, e comida. (...) Não existe o silêncio, não se exige sobriedade nas cores das vestimentas, não se exige pontualidade, nem homogeneidade no rito. As pessoas podem rezar a qualquer hora e há total liberdade nessa maneira de chegar até a divindade.”

A experiência no templo budista (Buddha Tooth Relic Temple) foi bem diferente, porque não fui na hora do culto, mas nem por isso foi menos especial. O lugar é de cair o queixo, ao entrar no salão principal me senti num filme. Budas gigantes, dourados, flores... e nas paredes 100 budas de todos os tipos e tamanhos. Eu queria muito ter alguém para me explicar tudo lá dentro, mas como não tive, vou ter que voltar. Aliás, esse templo também tem um museu, mas confesso que estava com pressa e só passei pelo térreo. Por isso, vou deixar para escrever com detalhes da próxima vez!

Saindo do templo, comi um doce típico chamado “egg tart”, que poderia ser um pastel de belém, mas não é. Achei meio estranho, com muito gosto de ovo... e meio mole... Não acho que comeria de novo...

De lá fui para a parte moderna do bairro, que é simplesmente o máximo! Designer stores, restaurantes e bares descolados... Dá vontade de entrar em todas as lojas e sentar em todas as mesas da Club street! Com certeza vou escrever mais sobre esse lado cool de Chinatown.

Saindo de lá desci pelo outro lado do bairro, onde há mais uma mesquita e um templo budista vizinhos (o templo, Thian Hock Keng, é um dos mais antigos da cidade, mas depois de ver o Tooth Relic, nada mais me impressiona...). E no meio de tanto restaurante chinês, tailandês e coreano, um oásis! Um café italiano!! Já eram quatro da tarde e eu só com o egg tart no estômago. Nunca fiquei tão feliz com um sanduíche de presunto e queijo!!

3 comentários:

  1. Eu nem deveria comentar nada depois de ler este último parágrafo. Vc esta indo tão bem, mas tinha que descambar comendo um misto, que horror!! Outro desapontamento, comecei ver as fotos e jurava que para surpresa de todos, a última foto seria você num sari verde e dourado, mas não, óbvio, era vc com um copo na mão, certamente experimentando o drink da cidade, odiou o egg tart mas deve ter amado a manguaça.....
    Eu enlouqueceria num lugar desses, apesar de ser cristã eu amo este culto disciplinado que eles tem, a disciplina nas oferendas não só para pedir mas principalmente para agradecer, me encanta!!! Adorei este post! Poderiam construir uma ChinaTown na 25 de março, as lojinhas já tem, poderiam investir nos templos!!
    Beijo
    Lilian - não sou anônima - só não entro nos outros perfis...

    ResponderExcluir
  2. Você queria que eu comesse o quê?? Vem pra cá me visitar, vem, vou te levar nos hawker centres e quero ver o que vc vai comer!! Vc pode negar, mas é muito mais fresca do que eu!

    ResponderExcluir
  3. Agora acho que consigo comentar...

    estou LOUCA pra conhecer chinatown agora, visitar esses templos! Amei!!

    ResponderExcluir